Wilson das Neves

Solar de Botafogo
show de Wilson das Neves no Solar de Botafogo, “Pra gente fazer mais um samba”

Wilson das Neves, 22-11, Solar de Botafogo (foto Daniel Achedjian)

Como eu havia anunciado ao vivo no último programa Tropicália, finalmente optei por escolher o caminho que leva ao Solar de Botafogo, para lá assistir a  Wilson das Neves , nessa segunda 22 de novembro. […]
Já não era sem tempo… Eu estava às portas de estabelecer um recorde, ao quase completar uma semana inteira sem assistir a um show em terras brasileiras. E esse espetáculo, que poderia parecer apenas uma suave amostra para matar minha sede mais imediata, mostrou-se na realidade uma excelente noite musical ; muito consistente.

Não satisfeito em ter sido o baterista que acompanha nomes de prestígio tais como Chico Buarque, Roberto Carlos, Elza Soares, João Donato, Tom Jobim, Ney Matogrosso, João Bosco, Maria Bethânia, Gal Costa, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Elis Regina– e eu aqui omito muitos outros- Wilson das Neves é também o autor de clássicos dentre os quais o mais emblemático ainda seja talvez O Samba é meu dom (c/ Paulo César Pinheiro), com o qual ele abriu a noite. Em seguida, ele se atém a apresentar uma sequência do repertório de seu excelente álbum « Pra gente fazer mais um samba », lançado em julho desse ano.
Mas é como crooner elegante -de uma voz firme, sustentando particularmente bem cada nota- que o músico de 74 anos se apresentou frente a pouco mais do que uma centena de pessoas. De uma elegância tal, que o leva a evocar, entre cada canção, os grandes letristas que adornaram suas próprias composições ao longo de seus 50 anos de carreira. Um exercício louvável que poderia revelar-se aborrecidamente sistemático, se o homem de olhar travesso não fosse munido de um humor particularmente afiado, pinçando daqui e dali algumas anedotas picantes e saborosas…
Aqueles que lá estiveram, em muito se alegraram… E quanto aos ausentes, poderão ainda ver « mestre Wilson » na próxima segunda, dia 29, às 19 :30 h, nos Arcos da Lapa, dentro da grade de eventos multidisciplinares denominado « Brasilidade»