O Pianista de Bar…

Tom Jobim
Na sua juventude, Jobim passou também a ser um pianista de bar, a noite…

Fortaleza… Em escala por dois dias antes de embarcar para Bruxelas. Cheguei tarde, um banho, e desço para dar uma relaxada e observar os hóspedes. Mas já são 11 horas da noite. O Lobby tem um clima acolhedor, mas eu sou o único cliente. Ah! O famoso pianista de bar! Desta vez, serão os francófonos que lembrarão, talvez de uma outra coisa, com a expressão «pianista de bar». Extraordinária música de Charlélie Couture (1956), este compositor da cidade de Nancy (França), roqueiro, escritor, poeta, pintor… Foi nos anos 80.

No fundo, no início de suas carreiras, mesmo durante um período curto, Hermeto Pascoal, Ray Manzarek (The Doors), Dick Farney, e até mesmo Tom Jobim foram «pianistas de bar» para pagar o aluguel… Escrevo para vocês a tradução livre da primeira parte da canção, descrevendo esses personagens que possuiem o dom de não se sentir tao a vontade, quando pasamos ao lado deles….

Charlélie Couture en 2007
Charléle Couture em 2007

Les Pianistes d’Ambiance (Charlélie Couture) -trecho….

« Sempre fui fascinado pelos pianistas ‘ de clima’ (de bar)

Um cara meio escondido nos lobbys ou nos resraurantes chiques

Um cara que  ninguem escuta e que sobretudo serve para esconder o que se diz na mesa ao lado com mais classe que um juke -box

O cara que faz de conta da indiferença geral…e que toca horas e horas

E cuja familia sente um certo orgulho, porque é o artista da familia…mas depois disso a gente nao sabe realmente o que dizer…a nao ser aqueles clichés do tipo: ” Ele tem um certo talento mas é como todos os artistas…ele é preguiçosoooo”…

Talvez seja verdade as vezes

Fora aqueles que conseguiram, entao a gente diz’ ” com certeza foi um trabalhāo pra chegar onde você está…..!!!! (suspiro de coisas mil vezes ouvidas)