Uma mentira para salvar os sonhos musicais (1)

Logo de MTV Brasil

Tenho que confessar esta mentira: para chamar a atenção dos francófonos para o mestre Antônio Carlos Jobim, sempre declarei que a Bossa Nova tinha sido meu ponto de encontro com a música brasileira. Nada mais falso do que isso!

Na verdade, são os pilares da MPB como Caetano Veloso, Gilberto Gil, ou Chico Buarque que me levaram a conhecer o famoso movimento « dos apartamentos » de Copacabana do início dos anos 60, que misturava o ritmo lento do samba com harmonias do jazz.

Um outro motivo desta mentirosa declaração inocente é que, em 1989, quando pus os pés pela primeira vez no Rio de Janeiro, não senti nenhuma conexão com o sol, o sal ou o sul, mas mais com a música americana. Mas como dizer uma coisa destas, quando a gente quer retomar o jornalismo musical em um país muito diferente. Minha paixão pelas músicas do Brasil, eu já tinha desde a compra das compilações de David Byrne dos Talking Heads.

1989: foi o primeiro ano da MTV Brasil, – muito americanizado – e meu primeiro show foi o do grupo Terra Molhada, cover dos Beatles, que se apresentava regularmente no « People », ex-magnífico clube da rua Bartolomeu Mitre no Leblon.
Foi apenas em 1990 que eu tive a oportunidade de finalmente assistir a um verdadeiro show da MPB, o excelente « Estrangeiro », de Caetano Veloso, no lendário Canecão.

Caetano Veloso: Estrangeiro (1990)

No nosso planeta, uma infinidade de lugares se associa a um gênero musical pelo qual somos impregnados assim que chegamos naquele lugar. Comecei a gostar do Fado através de Lisboa, pois eu era apaixonado pela capital portuguesa e pelas suas características.

Bem mais jovem, eu tinha visitado vários lugares onde se podia escutar o jazz em Nova York (Village Vanguard, Blue Note), onde a cidade respirava a soul e o funk em todos os andares das casas noturnas. Assim como o Godspel, jazz e soul não eram músicas para turistas no Harlem ou no Brooklyn.

The Village Vanguard, Greenwich Village, New York
The Village Vanguard, Greenwich Village, New York

 

E a gente poderia repetir a mesma simbiose com Havana. Lisboa era o Fado, Nova York era o jazz e a soul, e Havana era a salsa e seus derivados. Mas Rio não tinha a cara da Bossa Nova. Ou muito pouco. Claro que a Bossa Nova é um estilo que marcou os tempos, enquanto que o samba sempre esteve presente e ainda muito mais desde o final do século vinte.  (a seguir…..!!!!)

                                                         Marylin Monroe: Happy birthday to you my lovely podcast! Em 2003, nasceu Tropicalia MPB
Joao & Astrud Gilberto (début 1960)   …Blogs, sites, livros, biografias,
  Bryan Ferry, tournée 2019, Bruxelles (photo Daniel Achedjian) Falar de
Le nouveau linup du Fleetwood Mac (photo internet) Pois sim, na
Djavan (photo Daniel Achedjian) L’aptitude de certains grands artistes (les autres nous intéressent moins !), ne