Sakamoto e os Morelenbaum: um clima bossa zen no Ibirapueira

Ruytchi Sakamoto

Não existe voo direto entre Bruxelas e o Brasil, e Lisboa é sempre a escala escolhida quando faço uma ida e volta entre Bruxelas e – há 3 anos – São Paulo. É comum reconhecer artistas da cena da MPB, (frequentemente músicos) e desta vez, aquele senhor usando um chapéu bege, pequenos óculos, rosto redondo com uma barba por fazer há 3 dias, quase menor do que seu instrumento, um violoncelo, não era ninguém menos do que o grande Jacques Morelenbaum, que já acompanhou milhares de estrelas, das quais citarei apenas Antônio Carlos Jobim, na época da Banda Nova (anos 80).

Sua viagem à São Paulo estava plenamente justificada já que o músico ia participar do show que daria um outro compositor que trafega entre o popular, o erudito e o experimental, o mundialmente conhecido Ruyichi Sakamoto, que, para esta apresentação no parque Ibirapuera, tinha aceitado inaugurar musicalmente a casa do Japão de São Paulo, um dos centros musicais, como a cidade possui uma quantidade considerável.

À dupla Morelenbaum /Sakamoto, se juntou Paula Morelenbaum, também antiga corista da Banda Nova. O trio se conhecia bem uma vez que ele havia gravado “Casa” em 2002, dedicado a Jobim, depois “ A Day in New York”, no ano seguinte. Mais tarde, durante o show, o guitarrista Lula Galvão, e o percussionista Marcelo Costa entraram igualmente no palco.

Sakamoto no filme "Furyo" com Bowie
Sakamoto no filme “Furyo” com Bowie
Ruyichi Sakamoto, 07-05, Parque Ibirapueira
Ruyichi Sakamoto, 07-05, Parque Ibirapueira (foto Antônio Carlos Miguel**)

Eu conheci o nome de Sakamoto quando ele fazia parte de uma formação electro-pop, o Yellow Magic Orchestra, do qual eu havia adquirido um vinil amarelo que ainda tenho nos meus arquivos (Quantos no Ebay?), em 1979. E a banda continuou a trabalhar junto até recentemente. Em seguida, o acompanhei ao longo dos seus projetos com David Sylvian (ex-grupo Japan), e depois, claro, quando ele foi revelado para um público mais amplo, como ator, em “Furyo” (1983), filme de Nagasi Oshima com Tom Conti e David Bowie, do qual lembraremos mais do tema – que o próprio Ruyichi Sakamoto tinha pedido para compor – do que do filme por si próprio.

Mas o interesse do japonês pela Bossa Nova data de sua adolescência, quando ela já estudava piano. Ele encontrava uma serenidade que ele assimilava aos grandes compositores impressionistas como Debussy, ou à música clássica de seu país. Será que aí é que se encontra talvez uma das razões da paixão do Japão pela Bossa Nova até os dias de hoje?

Jacques Morelenbaum
Jacques Morelenbaum, 07-05, Parque Ibirapueira (foto Antônio Carlos Miguel**)

De Jobim, com ou sem seus dois parceiros, ele interpretou Insensatez, Sabiá, o tema menos conhecido, Canção para Michelle, e para o final, O Grande amor e inevitável Chega de saudade. Claro que o tema de “Furyo” já constava no programa. E como outros apaixonados por música, fiquei surpreso com a atenção e o respeito do público silencioso que a música divina impõe. Com minhas 15 horas de viagem e mais o fuso horário, eu, literalmente, viajei talvez mais do que os outros.

**Como nao tive o tempo de carregar minha maquina fotografica, o jornalista Antônio Carlos Miguel do Globo me salvou, me dando as fotos onde o nome dele esta creditado.No seu blog G1, vocês acharam uma entrevista de Sakamoto que conta como ele entrou com a Bossa Nova e a musica de Tom Jobim G1, vous trouverez entre autres une interview de Sakamoto qui raconte son lien avec la Bossa Nova

http://g1.globo.com/musica/blog/antonio-carlos-miguel/

O Trio Morelenbaum/ Sakamoto

          

Vidéo: –“Merry Xmas Mr Lawrence” (Sakamoto”)          -Trio Sakamoto Morelenbaum: “Bonita” (Jobim)
           –“Xmas Mister Lawrence” (cantado por David Sylvian)- (Sakamoto/ Sylvian)
                                                        –“Technopolis” (Yellow Magic Orchestra)



                                                         Marylin Monroe: Happy birthday to you my lovely podcast! Em 2003, nasceu Tropicalia MPB
Joao & Astrud Gilberto (début 1960)   …Blogs, sites, livros, biografias,
  Bryan Ferry, tournée 2019, Bruxelles (photo Daniel Achedjian) Falar de
Le nouveau linup du Fleetwood Mac (photo internet) Pois sim, na
Djavan (photo Daniel Achedjian) L’aptitude de certains grands artistes (les autres nous intéressent moins !), ne