Siba, artista essencial do Brasil

Siba
Siba, 21-09, Casa de Francisca (photo Daniel Achedjian)

Siba se apresenta com muita frequência em São Paulo, (desta vez, foi na Casa de Francisca, neste 21 de setembro), e há uma grande possibilidade que vocês possam assistir a um dos seus shows se passarem pela megalópole. Este cantor e compositor nascido em Recife, ao meu ver, um dos compositores mais importantes, artisticamente, na história das músicas do Nordeste, conseguindo combinar tradição e modernidade.
Aliás, ele não é um desconhecido na Europa, tendo percorrido diversos festivais e embalado as plateias com seus ritmos nordestinos.

Siba, 21-09, Casa de Francisca
Siba, 21-09, Casa de Francisca (photo Daniel Achedjian)

Sérgio Roberto Veloso de Oliveira é ainda bem jovem em relação à carreira que ele já traçou. Em 1992, ele fez parte do conjunto Mestre Ambrósio, grupo satélite do Manguebeat, e, já se falava dele fora do país.
E para evocar o Manguebeat, é com Chico Science, Lúcio Maia e Fred 04, da Nação Zumbi e Mundo Livre S/A que ele comporia a trilha sonora do filme “Baile Perfumado”, em 1997

Em 2002, ele deixa Mestre Ambrósio para formar Fuloresta do Samba, que mergulha ainda mais na ciranda e no maracatu.

Siba-Capa-CD-03Após um primeiro álbum inteiramente impregnado destas raízes, ele grava “Toda Vez Que Eu Dou Um Passo o Mundo Sai do Lugar”, um álbum que conheceria um verdadeiro sucesso comercial e que, no palco e na capa, recorreriam aos grafistas Dois irmãos, figuras que encabeçam o movimento das artes plásticas em São Paulo.
Mas Siba é um dos artistas que, fora do seu estado, aproveita da sua notoriedade para mostrar ao país de onde ele vem. Assim, ele lança em 2009, com Paulo Corrêa, “Violas de Bronze”, no qual demonstra sua destreza tanto na viola nordestina quanto na rabeca (violino rústico que se coloca no meio do braço). Muito ligado com o cenário paulista, ele grava “Levante” produzido por Fernando Catatau, no qual introduz a guitarra elétrica sem que o estilo da música de Cordel (lendas nordestinas) nem os diferentes ritmos de Pernambuco tenham sido afetados.

Em 2015, o álbum « De Baile Solto » iria ainda mais longe na sofisticação, principalmente na variedade de ritmos, às vezes em contratempo.

É por restas razões que Siba aparece como um artista essencial, permanecendo bem próximo das suas heranças musicais, sem ter medo de que a modernidade dos arranjos as afete.

Siba
Siba & Banda, 21-09, Casa de Francisca (photo Daniel Achedjian)